Os carros mais vendidos de todos os tempos
18 de junho de 2015
Hyundai HB20 reestilizado terá câmbio automático de 6 marchas
18 de junho de 2015

Carros têm desconto de até R$ 9 mil e parcela ‘paga’ por marca, mas cuidado com as pegadinhas

Lutando pelo terceiro ano seguido contra baixas nas vendas de carros zero, montadoras disputam consumidores com promoções variadas: há descontos de até R$ 9 mil, promessa de pagamento de parcelas do financiamento em caso de perda de emprego e até depósito de R$ 500 na conta corrente, caso o interessado goste mais do modelo rival.

De janeiro a maio, os emplacamentos de automóveis e comerciais leves (picapes e furgões) recuaram 20% na comparação com o mesmo período de 2014, segundo a federação dos concessionários, a Fenabrave. “O consumidor pode ser beneficiar neste momento, mas é preciso ter cautela e pesquisar”, alerta Fátima Lemos, assessora técnica do Procon-SP. Ela destaca que é importante conhecer em detalhes as condições das promoções.
 
‘Reza’ brava
A Chevrolet chama de “milagre” a campanha em que promete o pagamento de 4 parcelas (de até R$ 1,5 mil) do financiamento de um carro 0 km, caso o comprador seja demitido sem justa causa.

A propaganda mostra grupos de pessoas pedindo para São Caetano (que dá nome à cidade no ABC paulista onde fica a sede da GM) ajudar a economia.

A oferta ocorre “mediante contratação do Seguro Chevrolet Plus”, informa o site da montadora, sem citar se o seguro tem um custo. Na página, há alguns detalhes sobre as condições de cobertura, ou seja, do pagamento das parcelas. E a frase “Consulte demais condições na concessionária Chevrolet”.

A Kia anunciou um desconto de R$ 9,2 mil para o compacto Soul, cujo preço caiu de R$ 94.100 para R$ 84.900, até o final de junho. Outros modelos da linha sul-coreana têm descontos menores, mas o valor não inclui o frete, que é de R$ 1,5 mil para a Grande São Paulo, por exemplo, e o estoque promocional é de 10 unidades para cada modelo.

5 CUIDADOS COM PROMOÇÕES DE CARROS

1) Conheça os detalhes das ofertas, principalmente as cláusulas de exclusão, para saber se você poderá se beneficiar realmente

2) Guarde material (folhetos, anúncios) onde estejam descritos os detalhes da promoção, para cobrar, caso algo seja negado

3) No caso de oferta de seguro contra imprevistos, como cobertura de pagamento de parcelas do financiamento, leve em conta o custo total da compra, para saber se vale a pena contratar

4) Ao orçar um financiamento, não observe só o valor das parcelas: exija saber qual é o custo efetivo total, com discriminação de cada cobrança (ex: valores de taxas, impostos, etc)

5) Peça que o orçamento seja registrado: evite negociação apenas verbal

Desafio aos concorrentes
Já a Peugeot acredita que vai conquistar o cliente com um “test drive”. Quem provar a linha 2016 do compacto 208 e acabar comprando um carro rival, “da mesma categoria”, diz o regulamento, vai receber um depósito de R$ 500 da montadora na conta corrente – basta apresentar a nota fiscal e o registro do veículo no nome da pessoa que fez o teste drive em até 7 dias.

E a montadora não acha que vai jogar dinheiro fora: “Fizemos uma prévia da promoção na linha 2015. Oferecíamos R$ 300 para quem fizesse o test drive do 208 e comprasse um concorrente. Não tivemos que pagar um centavo”, afirma Miguel Figari, diretor geral da Peugeot do Brasil.

Como carros “da mesma categoria”, o regulamento lista Chevrolet Onix 1.4, Citroën C3 1.5/1.6, Fiat Punto 1.4, Ford Fiesta 1.5/1.6, Honda Fit 1.5, Hyundai HB20 1.6 e Volkswagen Fox 1.6.

A Ford anuncia toda sua linha em até 36 parcelas “sem juros”, com entrada de pelo menos 60% do valor do veículo, mas os estoque também são curtos, de apenas 15 unidades por modelo.

A Hyundai apela para o cliente fiel que quer trocar seu HB20 por outro novo, com promessa de pagar 100% do valor da Tabela Fipe, usada como referência no mercado.

Leia o contrato
O Procon-SP chama a atenção para a importância não só de conhecer os detalhes das promoções, como registrá-los e ter certeza se o consumidor se enquadra nela.

No caso de “seguros prestamistas”, como o da Chevrolet, diz Fátima, as pessoas acabam contratando sem conhecer direito as regras. “Quando acredita que vai se beneficiar, não consegue”, explica a assessora. “Trata-se de um contrato: leia, conheça as cláusulas de exclusão.”

Outro cuidado importante é saber se a contratação do seguro não vai encarecer demais o financiamento.

Além disso, a loja deve informar o custo efetivo total do financiamento, discriminando cada cobrança, incluindo taxas, impostos, etc. Ao saber o custo efetivo, o consumidor pode perceber que não há, na prática, a alardeada taxa zero.

“Em qualquer parcelamento há um custo, que varia de acordo com a marca e as condições que ela deseja vender um determinado modelo”, afirma Miguel Ribeiro de Oliveira, da Anefac, a associação dos executivos de finanças, administração e contabilidade.
 
Vai negociar?
Além das promoções, as associações do setor automotivo tentam elevar a oferta de crédito com “feirões” e parcerias com bancos.

Entre 18 e 20 deste mês, a Caixa Ecônomica Federal e o Banco Pan promovem o 8º Salão Auto, com taxas de juros a partir de 1,09% ao mês e possibilidade de pagamento da primeira parcela em até 120 dias.

Cerca de 1 mil concessionárias localizadas em 285 cidades brasileiras participarão do evento. “Isso beneficia tanto o consumidor, com taxas e condições mais atrativas, como os concessionários e montadoras, que podem recuperar parte da queda nas vendas registradas nos últimos 5 meses”, afirmou em nota Alarico Assumpção, presidente da federação de distribuidores (Fenabrave).

Em seus sites, algumas montadoras indicam que o preço sugerido nas ofertas pode ser negociado na concessionária. O Procon-SP diz que é fundamental que as ofertas não fiquem apenas na fala do vendedor. “Guarde folhetos promocionais ou peça para que seja feito um orçamento, em um papel vinculado à loja”, afirma Fátima.

Confirme ainda se o preço informado é restrito a uma determinada configuração (cor, itens de série, etc) e quanto custaria o carro com os detalhes que o consumidor quer. A nova “moda” das montadoras é reservar o preço inicial do modelo para uma única cor de pintura.

E, finalmente, não baseie a decisão de compra vendo apenas “se a parcela cabe no bolso”, lembra a assessora do Procon-SP. É preciso considerar todos os gastos envolvidos na compra do carro, como documentação, IPVA, combustível, manutenção, seguro, etc.

Fonte: AUTO ESPORTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *